Publicidade
15/11/2015 - 02h00

Detetives ganham até R$ 1.500 por dia no encalço de traições e empresas

FERNANDA PERRIN
DE SÃO PAULO

Antes de começar a falar, Marco Antônio Xavier, 32, perguntou o nome completo da repórter para checar se era de fato uma jornalista da Folha. "É que muitas pessoas vêm até mim atrás de informações", justificou-se.

Xavier é dono da Sabra Inteligência e Investigação, com foco no mundo corporativo. Os serviços vão desde infiltração de investigadores entre funcionários para apurar desvios de mercadorias a levantamento do passado de potenciais sócios. "É uma espécie de auditoria velada", diz.

Para cada serviço, é assinado um contrato entre as partes que inclui uma cláusula de confidencialidade. Tudo o que for descoberto é relatado apenas para o cliente, sob pena de multa.

Nenhum trabalho pode invadir a privacidade dos investigados. Diferentemente dos agentes de polícia, que podem conseguir autorização na Justiça para grampear telefones, os detetives particulares devem se limitar a espaços públicos. Privados, como uma empresa, apenas com autorização do dono.

Com uma equipe de quatro pessoas, Xavier diz que atende em média oito organizações por mês. O preço por "alvo" (pessoa a ser investigada) é a partir de R$ 15 mil.

Bacharel em direito, o empresário reclama da falta de um curso especializado em investigação privada que seja regulamentado pelo Ministério da Educação (MEC).

Mauro Pimentel/Folhapress
RIO DE JANEIRO, RJ, 12.11.2015: RETRATO DETETIVE LUIZ GOMES - Retrato do detetive particular Luiz Gomes para reportagem a sobre carreira de investigador particular. (Foto: Mauro Pimentel/Folhapress, FSP-SUP-EMPREGOS) ***EXCLUSIVO FOLHA***
O detetive particular Luiz Gomes em seu escritório, no Rio

A Academia de Inteligência Privada, com sede no Rio, se autoproclama "a melhor escola de detetives do Brasil". Desde 2003, ela oferece os cursos de detetive privado (nas modalidades presencial, por R$ 1.800, e a distância, por R$ 500) e psicologia criminal (R$ 300).

Por ano, são formados cerca de 80 profissionais, diz o detetive Luiz Cláudio Gomes, coordenador da escola. Para aprender a prática, porém, ele recomenda a busca de um "tutor": alguém experiente que deixe o novato acompanhar seu trabalho. Esse também é o melhor caminho para tornar-se conhecido no mercado, que funciona na base de indicações.

"É um ramo muito fechado. É difícil você chegar em uma agência e pedir um emprego", diz Fabrício Dias, 36, presidente da Líder Detetives, com sede em São Paulo. Dias coordena o trabalho de 16 agentes, entre especialistas em TI e "campaneiros", jargão da área para quem passa até dez horas por dia seguindo alvos nas ruas.

Cerca de 40% dos casos em que Dias trabalha são suspeitas de traição do parceiro ou de uso de drogas pelos filhos. O restante são investigações empresariais, contraespionagem (averiguar se o cliente não está sendo monitorado) e litígios judiciais, como estimar a renda do alvo para pedido de pensão alimentícia. Uma investigação de uma semana gira em torno de R$ 5.500, afirma Dias.

SEM REGRAS

A ocupação de detetive profissional é reconhecida pelo Ministério do Trabalho, mas nunca foi regulamentada. Na falta de especificações, as fronteiras entre o legal e o ilegal são nebulosas.

Uma escuta instalada por um detetive em uma casa com autorização do proprietário interessado em investigar o cônjuge, por exemplo, é legal para o professor de direito processual penal da USP Gustavo Badaró, e uma violação de intimidade para o advogado e ex-delegado de polícia Frederico Pinto.

"Hoje não existe um regramento que defina limites para a atuação do detetive", afirma o deputado federal Ronaldo Nogueira (PTB-RS), autor do projeto de lei 1.211 de 2011, cujo objetivo é regulamentar a profissão.

Karime Xavier/Folhapress
SÃO PAULO / SÃO PAULO / BRASIL - 11/11/15 -11 :00h -Retrato do detetive Fabricio Dias, dono da Lider Detetives. ( Foto: Karime Xavier / Folhapress). ***EXCLUSIVO***EMPREGOS
O detetive Fabrício Dias, da Líder Detetives, em seu escritório, em São Paulo

A proposta, que aguarda votação no Senado, estende a formação para 600 horas, determina que a grade seja definida pelo Conselho Nacional de Educação (MEC) e proíbe o profissional de divulgar as informações às quais teve acesso. Caso o detetive perceba que seu cliente pretende cometer um crime com os dados coletados, o projeto estabelece que ele deve comunicar a polícia.

A possibilidade de "investigação defensiva", prevista no projeto do novo Código de Processo Penal (em tramitação), é outra novidade que pode afetar a profissão.

De acordo com Badaró, um dispositivo semelhante introduzido na Itália em 2011 permitiu a detetives particulares pedirem autorização na Justiça para "atividades invasivas", como uma busca e apreensão. "Ele dá prerrogativas de polícia a um investigador privado", diz o professor.

*

DOSSIÊ PROFISSIONAL
Tarefas incluem seguir alvos, instalar escutas e se infiltrar em empresas

Formação

>> Escolaridade média e mais de 400 horas-aula de curso especializado

Atividades

>> Contraespionagem (verificar se cliente é monitorado)

>> Análise do histórico de funcionários e de sócios

>> Investigação de suspeitas de traição amorosa

>> Averiguação de uso de drogas entre adolescentes

>> Localização de pessoas com quem se perdeu contato, ou desaparecidas

>> Busca de animais perdidos

Técnicas

>> Seguir rotina do alvo por até dez horas por dia

>> Colocar rastreadores em automóveis

>> Instalar escutas na casa

>> Infiltrar-se em empresas

>> Análise de documentos

Limites

>> Acesso a espaços privados, apenas com autorização do proprietário

>> É proibido fazer escutas telefônicas

>> Uso de armas de fogo (só para quem tem porte legal)

Preço

>> Remuneração pode ser cobrada por diária ou por caso

>> Diárias variam de R$ 500 a R$ 1.500, em média

>> Casos podem chegar até a R$ 20 mil, dependendo da complexidade

MERCADO

172
>> Empresas no Estado de São Paulo fazem investigação particular*

*Dado da Junta Comercial do Estado de São Paulo

 

Publicidade

 
Busca

Encontre vagas




pesquisa
Edição impressa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Pixel tag