Publicidade
25/07/2011 - 07h30

Jovens assinam projeto para ONG com renomados escritórios de arquitetura

CÁSSIO AOQUI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Expor no currículo o status de coautor de uma grande obra, chancelada por escritórios renomados, é o projeto de vida de muitos arquitetos. Para alguns, no entanto, essa experiência sai do papel antes mesmo de se formarem.

É o caso de 11 jovens que passaram nove dias das férias sobre plantas e maquetes na FAU-USP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo).

Alistado pelo designer Marcelo Rosenbaum e pelo arquiteto Lourenço Gimenes, do FGMF Arquitetos, com base em indicação das escolas, o grupo se reuniu para fazer a sede da ONG Lua Nova, que cuida de mães em situação de risco e foi finalista do Prêmio Empreendedor Social em 2008. O projeto foi apresentado na última terça-feira.

"Eles sairão [da faculdade] com um trabalho real e poderão dizer que estagiaram em dois escritórios reconhecidos", enaltece Rosenbaum.

Diferentemente dos trabalhos feitos em aula, o laboratório teve imersão na vida das beneficiárias da ONG, para conhecer suas necessidades.

"É mais visceral do que na faculdade", afirma Gimenes.

"Na escola, há uma dimensão mais urbana e utópica. Não sabemos se o projeto será construído", assinala Mirela Caetano, 25, estudante do quinto ano de arquitetura na Escola da Cidade.
Caçula do grupo e terceiranista na Faap (Fundação Armando Alvares Penteado), Marcelo Anaf, 20, explica que, para participar da iniciativa, teve apoio do chefe.

"Fui chamado sábado para começar domingo. Nem avisei meu supervisor que faltaria. Mas ele mandou uma mensagem dizendo que eu tinha de abraçar o projeto."
Rosenbaum e Gimenes veem a iniciativa como o piloto de uma incubadora de projetos voltados ao terceiro setor.

"A ideia é colocar de pé o edifício", afirma Rosenbaum.

 

Publicidade

 
Busca

Encontre vagas




pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Pixel tag