Publicidade
15/06/2012 - 09h05

É possível evitar o pesadelo da reforma

JULIA BENVENUTO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Depois de alugar ou comprar o imóvel é que o trabalho de verdade começa. Apesar de prazeroso, montar a casa é um processo que exige paciência e dedicação -e que pode se transformar em sufoco se incluir reformas.

Para evitar que tudo acabe em briga vale colocar em prática duas medidas simples: orçamento prévio e detalhado e um bom estoque de paciência.

"O primeiro passo é organizar os custos da reforma em duas categorias, os essenciais e os supérfluos", diz o economista Gustavo Goldenberg. Portanto, nada de sair comprando a poltrona de design ou a obra de arte que estavam na lista de desejos. Invista somente no necessário, como em eletrodomésticos básicos, cama e sofá.

Evite também dividir o pagamento em várias parcelas, comprometendo o cartão de crédito. Nessa fase inicial são comuns os gastos imprevistos, e a conta no final do mês pode aumentar consideravelmente. "O ideal é criar um poupança com pelo menos 20% do valor previsto para a reforma para cobrir os custos extras", diz o economista.

UM DIA A CASA CAI

Há quase três anos em um relacionamento, a gerente de marketing Vivian Lu Horng, 36, diz ter sofrido todo o estresse que uma reforma mal planejada pode causar. Com o namorado, ela havia acabado de financiar um imóvel na zona sul de São Paulo quando decidiu contratar um empreiteiro. "Tínhamos o projeto de uma arquiteta, mas ninguém para acompanhar de perto a obra. Quase enlouquecemos", conta.

Os problemas não pararam de aparecer na vida do casal: sistema hidráulico no lugar errado, móveis fora das medidas, tampo de mármore danificado por entregadores. Conclusão: o casal teve de gastar 40% a mais do orçamento previsto e foi preciso montar um esquema de rodízio para vigiar o trabalho dos funcionários.

"Ainda estamos morando em um dos cômodos do apartamento, com apenas o necessário para nossa sobrevivência. Já chegamos a dormir sem a porta da entrada."

Problemas logísticos acontecem, na maioria das vezes, devido à inexperiência do casal. Para o arquiteto e decorador Paulo Carvalho, a ansiedade de ocupar logo a casa nova é o principal causador de decisões precipitadas, que acabam acarretando mais gastos.

"No caso de imóveis antigos, aproveitar os materiais que já estão no local é uma boa maneira de evitar gastos desnecessários. Lixar e envernizar um piso de taco de madeira, por exemplo, é mais barato do que comprar um novo. Portas não precisam de mais do que uma pintura ou de uma maçaneta de design", diz o arquiteto.

Outro erro é não exigir do profissional escolhido para a reforma um contrato de prestação de serviços -só o documento garantirá o cumprimento das datas estipuladas para a entrega da obra.

Consultas em sites de proteção ao consumidor também são indispensáveis para evitar futuros problemas. "Já tive uma cliente que decidiu contratar por conta própria o marceneiro. A reforma já acabou e até hoje ela não recebeu o móvel encomendado ", diz a arquiteta Caroline Gabriades.

editoria de arte/folhapress
 

Publicidade

 
Busca

Encontre um imóvel









pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Mudar

Mudar

Flávio Gikovate

Comprar
Geração de Valor

Geração de Valor

Flávio Augusto da Silva

Comprar
A Saúde dos Planos de Saúde

A Saúde dos Planos de Saúde

Drauzio Varella e Mauricio Ceschin

Comprar
Adeus, Aposen- <br> tadoria

Adeus, Aposen-
tadoria

Gustavo Cerbasi

Comprar