Publicidade
02/08/2012 - 13h51

Pesquisa aponta riscos de uso demasiado de ar-condicionado

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Um estudo realizado pelo Netherlands Environmental Assessment Agency, noticiado pelo jornal The Guardian, concluiu que, em menos de dez anos, o mundo poderá enfrentar um efeito estufa potencializado devido ao uso demasiado de sistemas de refrigeração.

Isso porque, segundo os pesquisadores, a demanda por ar-condicionado no mundo será oitos vezes maior até 2050 --se o ritmo seguir o do consumo atual.

Os números apontam também um problema no fornecimento de energia elétrica. Até 2020, as expectativas são de que a China ultrapasse os Estados Unidos no consumo de energia elétrica para refrigeração. Em 2010, 50 milhões de refrigeradores foram vendidos só na China. A estimativa é que o índice duplique no país até 2015.

SEM VENTILAÇÃO NATURAL

Para a engenheira Celia Sapucahy, do SEESP (Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo), a procura crescente pelo sistema de refrigeração pode estar ligada à estrutura das construções modernas.

"Hoje o uso de materiais como o vidro, o concreto e a cerâmica na estrutura das paredes permite uma maior troca de temperatura com o ambiente externo. Os empreendimentos antigos, de estrutura de barro, demoram para absorver os raios solares, o que permite um clima agradável por mais tempo, sem a necessidade do uso de ar-condicionado", afirma.

Para a especialista, o alto índice de aparelhos registrados nos Estados Unidos aponta ainda uma maior distribuição de renda no país. "No Brasil, o clima tropical poderia incentivar o uso da refrigeração, mas ainda é muito caro para o consumidor comprar o aparelho", diz.

 

Publicidade

 
Busca

Encontre um imóvel









pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Pixel tag