Publicidade
10/05/2012 - 12h21

Seminário Brazil Innovation começa nesta manhã, no Rio de Janeiro

DANIELA PAIVA
ENVIADA ESPECIAL AO RIO

A economia das ideias está no Brasil. Pela primeira vez, o Economist Group, grupo responsável pela revista britânica "Economist", promove o seminário "Brazil Innovation: A Revolution for the 21st Century" (em tradução livre, Inovação no Brasil: A revolução para o século 21).

O evento começou esta manhã, no Rio de Janeiro, e faz parte do projeto The Ideas Economy (Economia da Ideias), série de palestras, seminários e debates que abordam temas como inovação e empreendedorismo.

Até a escolha do local para sediar a iniciativa da "Economist" no Brasil teve um toque de ousadia: o Planetário da Gávea carioca.

"É um prazer especial estar aqui, no Planetário do Rio, que nos convida a pensar no infinito, nas mudanças, no novo", afirmou Michael Reid, editor da seção Américas, da Economist.

No campo da inovação brasileira, Reid ressaltou a liderança do país na extração de petróleo em alto-mar e na agrotecnologia. No entanto, ao abordar os recursos financeiros destinados ao segmento, lembrou que "os gastos da América Latina estão bem abaixo do resto do mundo".

Marco Antônio Raupp, ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, dividiu o primeiro debate com Lino Baraño, ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação da Argentina.

Um vídeo com depoimentos de empresários e cidadãos norte-americanos instigou a conversa. A provocação: "o governo deve sair do caminho dos pequenos negócios"?

"Concordo que o governo não pode se postar à frente ou segurar as iniciativas, mas tem que ajudar com políticas que criem condições favoráveis às empresas", afirmou Raupp.

O ministro destacou o programa Ciência Sem Fronteiras, criado no ano passado, como uma ação estratégica de formação e intercâmbio. "Uma nova postura esta sendo criada, a de cooperação aberta", afirmou.

Baraño, que é cientista de formação, traçou paralelo entre as ações do seu Ministério e as etapas de uma fórmula científica --e incluiu hipótese e experimento no desenvolvimento dos projetos governamentais. Um deles é um consórcio entre o governo e o alto empresariado para promover grandes inovações. "Os cientistas querem reconhecimentos, e os empresários, lucro. Temos que promover essa interação", disse.

PRODUÇÃO CIENTÍFICA

Questionado sobre a escassez da produção científica brasileira, Raupp afirmou que "nos últimos dez anos, as universidades tiveram um crescimento significativo e hoje a produção científica brasileira é responsável por 2,7% da mundial".

Para ele, "o grande desafio é entrar na linha tecnológica e estimular as empresas a fazerem pesquisa e desenvolvimento".

Sobre as dificuldades para se obter patentes no país, uma das principais queixas dos setores ligados à inovação, o ministro disse: "Estamos conscientes do problema e fazemos um esforço vigoroso para capacitar o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e melhorar as condições". Quanto tempo isso vai demorar?, questinou a plateia. "Ah, uns dois anos, né?", finalizou o ministro.

 

Publicidade

 
Busca

Busque produtos e serviços


pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Abilio

Abilio

Cristiane Correa

Comprar
Em Busca do Tesouro Direto

Em Busca do Tesouro Direto

Samy Dana, Miguel Longuini

Comprar
Felicidade Construída

Felicidade Construída

Paul Dolan

Comprar
Brasil: Uma Biografia

Brasil: Uma Biografia

Heloísa Starling, Lilia M. Schwarcz

Comprar
Pixel tag