Publicidade
17/06/2012 - 07h05

Jovens designers investem em autonomia

JÚLIA DUARTE
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Os designers de produto no Rio de Janeiro estão preferindo abrir o próprio negócio em vez de procurar emprego. Algumas características do mercado fluminense, como a escassez de escritórios com funcionários fixos, têm incentivado o empreendedorismo entre esses profissionais.

Segundo Felipe Rangel, professor do departamento de design da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica), os alunos que querem trabalhar em empresas acabam migrando para a região Sul ou para São Paulo.

No Rio, ainda existem grandes escritórios, como o Índio da Costa A.U.D.T., comandado pelo arquiteto Luiz Eduardo Índio da Costa e seu filho, Guto, que é designer.

Porém, os recém-formados têm priorizado a autonomia no mercado. "Estimulo o empreendedorismo porque é uma maneira de desenvolver a identidade profissional com mais liberdade. Sempre que podemos, direcionamos os alunos para a incubadora da universidade", diz o professor.

"Nas incubadoras, estão sempre chegando investidores interessados em criar parcerias", diz Julia Zardo, coordenadora do projeto Rio Criativo -Incubadoras de Empreendimentos da Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro. Segundo ela, existem hoje 24 incubadoras instaladas em universidades públicas e particulares do Rio.

Além de espaço, elas oferecem apoio jurídico, administrativo e cursos de empreendedorismo. Zardo aponta o Rio como um ambiente propício à inovação e destaca a preparação da cidade para a Copa de 2014 e para as Olimpíadas de 2016. "O enfrentamento de problemas demanda criatividade para resolvê-los", diz.

O designer Eduardo Cronemberger, 29, um dos sócios da Habto Design, formou-se em desenho industrial na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), em 2005. Logo após receber o canudo, ele montou a empresa com os colegas e recém-formados Gil Guigon, 29, e Diogo Lage, 30.

Dois dos sócios passaram por um treinamento de empreendedorismo na incubadora da Coppe (instituto de pós-graduação), da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Cronemberger afirma que essa fase foi essencial para o sucesso do empreendimento.

Cecilia Acioli/Folhapress
Os sócios da Habto são na nova geração de designers cariocas: Diogo Lage, Eduardo Cronemberger e Gil Guigon
Os sócios da Habto são na nova geração de designers cariocas: Diogo Lage, Eduardo Cronemberger e Gil Guigon

A Habto trabalha com mobiliário educacional e desenvolveu projetos que ganharam visibilidade. Um deles é uma sala multiuso que se adapta às necessidades do professor. O projeto chama-se Sistema Revoluti e inclui carteiras de estrutura leve, que permitem mobilidade e vêm com computadores acoplados. O material está exposto na Rio+20, conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável, que termina nesta sexta-feira.

A empresa também elaborou um kit multimídia a pedido do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial). Batizado de UMA (Unidade Móvel de Aprendizagem), o kit é composto por um projetor móvel de imagem 3D e óculos especiais. Cerca de 40 exemplares circularão pelas escolas do Senai e Sesi (Serviço Social da Indústria).

Cronemberger participou de concursos e editais para ganhar experiência e portfólio. Algumas das instituições que lançam editais de incentivo a projetos de design e de inovação são Finep (financiadora de projetos) e Faperj (fundação de amparo à pesquisa).

TENDÊNCIA

O empreendedorismo entre os designers de produto não é exclusividade dos cariocas, diz Ernesto Harsi, diretor de relações institucionais da ADP (Associação dos Designers de Produto). "Essa tendência não existe só no Rio, em São Paulo ou no Brasil. É internacional. Na Europa, há muitos designers de móveis e decoração empreendendo."

Quanto ao panorama carioca, o diretor da ADP afirma que o empreendedorismo pode ser uma saída para a escassez de vagas. "Existem boas escolas formando designers e não há mercado de trabalho suficiente para todos." Segundo ele, a maioria dos empreendedores investe em móveis e objetos de decoração. "É raro encontrar algum que faça outro tipo de produto", diz.

Os designers de produto no Rio de Janeiro estão preferindo abrir o próprio negócio em vez de procurar emprego. Algumas características do mercado fluminense, como a escassez de escritórios com funcionários fixos, têm incentivado o empreendedorismo entre esses profissionais.

Segundo Felipe Rangel, professor do departamento de design da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica), os alunos que querem trabalhar em empresas acabam migrando para a região Sul ou para São Paulo.

No Rio, ainda existem grandes escritórios, como o Índio da Costa A.U.D.T., comandado pelo arquiteto Luiz Eduardo Índio da Costa e seu filho, Guto, que é designer.

Porém, os recém-formados têm priorizado a autonomia no mercado. "Estimulo o empreendedorismo porque é uma maneira de desenvolver a identidade profissional com mais liberdade. Sempre que podemos, direcionamos os alunos para a incubadora da universidade", diz o professor.

"Nas incubadoras, estão sempre chegando investidores interessados em criar parcerias", diz Julia Zardo, coordenadora do projeto Rio Criativo -Incubadoras de Empreendimentos da Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro. Segundo ela, existem hoje 24 incubadoras instaladas em universidades públicas e particulares do Rio.

Além de espaço, elas oferecem apoio jurídico, administrativo e cursos de empreendedorismo. Zardo aponta o Rio como um ambiente propício à inovação e destaca a preparação da cidade para a Copa de 2014 e para as Olimpíadas de 2016. "O enfrentamento de problemas demanda criatividade para resolvê-los", diz.

 

Publicidade

 
Busca

Busque produtos e serviços


pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Abilio

Abilio

Cristiane Correa

Comprar
Em Busca do Tesouro Direto

Em Busca do Tesouro Direto

Samy Dana, Miguel Longuini

Comprar
Felicidade Construída

Felicidade Construída

Paul Dolan

Comprar
Brasil: Uma Biografia

Brasil: Uma Biografia

Heloísa Starling, Lilia M. Schwarcz

Comprar
Pixel tag