Publicidade

 

Publicidade

 
05/12/2011 - 07h09

Aceleramos a nova geração do conversível Mercedes SLK 200

RICARDO RIBEIRO
DE SÃO PAULO

A versão anterior do conversível Mercedes SLK ficou no fim da fila. Outros carros da marca passaram por mudanças, mas o esportivo continuava com o visual antigo.

Tanto é que já era chamado de "the old lady" (a velha senhora, em inglês) pelos corredores da montadora -- os alemães tratam o modelo no feminino. Agora, na terceira geração, esse cabriolet finalmente rejuvenesceu.

Ivan Ribeiro/Folhapress
Dianteira tem linhas imponentes inspiradas no cupê esportivo SLS AMG
Dianteira tem linhas imponentes inspiradas no cupê esportivo SLS AMG

Grade maior, LEDs no para-choque e vincos no capô aproximaram o SLK do SLS, seu "irmão" mais potente. Na hora das fotos desta página, dois curiosos confundiram os modelos e perguntaram se as portas se abriam para cima, no melhor estilo asa de gaivota. Não: isso seria impossível em um carro de teto removível.

A dupla ficou frustrada, mas bastou apertar o botão que abre a capota rígida para reconquistar sua atenção: são 20 segundos, muitos queixos caídos e alguns suspiros diante do teto em movimento.

Três letrinhas revelam o que está escondido sob o capô: CGI. A sigla adicionada ao nome do novo SLK 200 indica a adoção do sistema de injeção direta de gasolina no motor 1.8 turbo.

A potência permanece a mesma (184 cv), mas o torque aumentou sensivelmente e está disponível mais cedo, a partir de 1.800 rpm. Outra novidade é o câmbio automático de sete marchas. A geração anterior usava uma caixa de cinco velocidades.

Ivan Ribeiro/Folhapress
Capota rígida pode ser recolhida com o automóvel em movimento; fechamento completo do teto é feito em 20s
Capota rígida pode ser recolhida com o automóvel em movimento; fechamento completo do teto é feito em 20s

As alterações resultaram em retomadas vigorosas. No teste Folha-Mauá, o SLK atingiu 100 km/h em 7,6s e só precisou de 5s para ir de 80 a 120 km/h, situação comum em ultrapassagens na estrada.

Baixo, com tração traseira e suspensão firme, o modelo é estável em velocidades maiores e preciso nos trechos sinuosos. Controles eletrônicos de estabilidade e tração, equipamentos de série no conversível, também ajudam.

O ronco do motor poderia ser mais grave para combinar com o bom desempenho do modelo.

O barulho pouco empolgante avisa que não se trata de um V6.

Divulgação
Interior tem forrações em couro e cromados
Interior tem forrações em couro e cromados

A cabine é requintada, mas o ruído abafado das peças móveis do teto chacoalhando destoa do conjunto.

É melhor abrir a capota e enfrentar a fama instantânea -- a céu aberto, o sistema Airguide corrige o fluxo do ar e reduz a turbulência na cabine.

São duas abas de plástico fixadas nos encostos de cabeça, que podem ser movimentadas para o lado com o objetivo de direcionar o vento.

As partes são transparentes para não prejudicar a visibilidade traseira.

O SLK (R$ 202,9 mil) não tem vida fácil no Brasil: enfrenta rivais mais potentes e com similar acerto de carroceria, como BMW Z4 2.4 V6 (R$ 218 mil) e Audi TT Roadster 2.0 turbo (R$ 211,2 mil). É uma boa briga entre alemães.

A Mercedes cedeu a SLK para teste

INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA
0/xx/11/4239-3092; www.maua.br

Editoria de Arte/Folhapress
Editoria de Arte/Folhapress
 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Meus Tiranos Favoritos

Meus Tiranos Favoritos

Bob Lutz

Comprar
Confrontos Decisivos

Confrontos Decisivos

Al Switzler, Joseph Grenny, Kerry Paterson e Ron Mcmillan

Comprar
Termine Este Livro

Termine Este Livro

Keri Smith

Comprar