Publicidade
13/02/2012 - 07h14

Motor 'flex' agora invade o segmento de utilitários importados

FELIPE NÓBREGA
DE SÃO PAULO

Após monopolizar os segmentos de alto volume, a tecnologia 'flex' avança agora entre os utilitários de luxo.

Estão chegando às lojas as primeiras versões bicombustível da picape Hilux e do jipão SW4, produzidos na Argentina pela Toyota, e o sul-coreano Kia Sportage movido a etanol e gasolina.

Será que motoristas com esse poder de compra (os modelos citados custam mais de R$ 90 mil) estão preocupados em economizar centavos no abastecimento? Sim, afirma Ary Jorge

Laércio Checa - 7.fev.12/Divulgação
Na linha 2012, Sportage ganhou câmbio automático de seis marchas (opcional) e rodas de 18 polegadas
Sportage 'flex' ganhou câmbio automático de 6 marchas (opcional) e rodas de 18 polegadas em todas versões

Ribeiro, diretor de vendas da Kia Motors. "Outro detalhe é o fato de o automóvel 'flex' ser mais valorizado na hora da revenda".

NOVIDADES

Em grandes centros, a valorização em relação às versões movidas apenas por gasolina chega a 3%, calcula Sammy Franciscus, consultor da Cardinal, concessionária Mitsubishi. A marca lançou no fim de 2010 a picape L200 Triton V6 "flex" (205 cv).

Segundo a Mitsubishi, a opção que aceita gasolina e etanol representa 29% das vendas na capital paulista. É mais que o dobro da média nacional desta versão da picape (12%). A configuração a diesel é disparada a preferida. Fenômeno parecido ocorre com o jipe Pajero Dakar V6 Flex.

Para importadores, essa tecnologia também proporciona mais identidade do produto com o mercado local.

Uma nova leva de utilitários bicombustíveis já está a caminho. A primeira será a nova Chevrolet S10, cuja primeira versão "flex" foi lançada em 2004. O modelo chega às lojas logo após o Carnaval.

Divulgação
Novidade da linha 2012 da SW4 é a versão bicombustível, que parte de R$ 114 mil
Novidade da linha 2012 da SW4 é a versão bicombustível, que parte de R$ 114 mil

Outra que está prestes a desembarcar é a Ford Ranger remodelada. A maior novidade da picape -que é produzida na Argentina- será a versão movida a etanol e gasolina.
exigência de mercado

O QUE VEM POR AÍ

Entre os jipinhos, a exigência pelo "flex" também cresce. Muitos dos novos consumidores desse segmento migraram de modelos que já dispunham da tecnologia.

O Hyundai iX35, que compartilha o conjunto mecânico com o Sportage, receberá em breve o pacote bicombustível do "primo". As alterações mecânicas incluem nova programação da central eletrônica e dutos resistentes à ação corrosiva do etanol.

Já a Fiat estuda adaptar o motor do "crossover" Freemont para que também possa receber o combustível de origem vegetal.

"Como essa tecnologia só é aceita no mercado brasileiro, não dá para dividir os custos da adaptação com outros mercados, o que torna mais difícil viabilizá-la em modelos de menor volume de vendas", diz Ricardo Dilser, assessor técnico da Fiat.

No mês passado o Freemont teve apenas 477 unidades emplacadas, cerca de um terço do que a Kia pretende atingir com o Sportage 2.0 Flex (178 cv), cuja versão automática parte de R$ 95,4 mil.

 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Abilio

Abilio

Cristiane Correa

Comprar
Em Busca do Tesouro Direto

Em Busca do Tesouro Direto

Samy Dana, Miguel Longuini

Comprar
Felicidade Construída

Felicidade Construída

Paul Dolan

Comprar
Brasil: Uma Biografia

Brasil: Uma Biografia

Heloísa Starling, Lilia M. Schwarcz

Comprar
Pixel tag