Publicidade
12/08/2012 - 07h00

Remodelado, Citroën C3 encara rivais pelo título de melhor compacto premium

EDUARDO SODRÉ
DE SÃO PAULO

Sob o sol morno do inverno paulistano, o Citroën C3 desfila com seu enorme para-brisa panorâmico.

Em outro ponto da cidade, o motorista de um Fiat Punto acessa a caixa de mensagens de seu celular usando comandos de voz. O computador de bordo lê os torpedos sem que o condutor precise tirar as mãos do volante e os olhos da estrada. Está provado: hatch compacto deixou de ser sinônimo de carro popular.

Os fabricantes criaram nome para a nova categoria: segmento B premium. Os principais representantes da classe foram reunidos neste teste comparativo, no qual não há vencedores ou vencidos. É o nicho mais equilibrado do mercado, e a falta de um item aqui é compensada por uma boa surpresa acolá.

Alessandro Shinoda/Folhapress
Novo Citroën C3 (à dir.) ao lado do Fiat Punto reestilizado
Novo Citroën C3 (à dir.) ao lado do Fiat Punto reestilizado, que também estreia como modelo 2013

O Honda Fit é um exemplo disso. O pacote de itens da versão EX não supera o de nenhum rival, mas, quando se começa a mexer na cabine, as qualidades sobressaem.

É possível carregar uma prancha de surfe dentro do compacto de origem japonesa, basta colocar os bancos na posição certa. E lá está o maior porta-malas da categoria, com 384 litros de capacidade. É o hatch mais versátil do segmento, quase uma minivan.

Quem busca espaço deve correr para uma loja Honda? Ainda não. Antes é preciso conhecer o Chevrolet Sonic, que custa menos e também não aperta os passageiros.

NA PISTA

A evolução do segmento é acompanhada pela elevação dos preços. As versões mais simples dos carros testados custam cerca de R$ 40 mil, enquanto os populares básicos são oferecidos por pouco mais de R$ 21 mil. Mas, no pacote de equipamentos, quanta diferença.

A versão de entrada do Citroën C3 (1.5 flex Origine) custa R$ 39,9 mil e vem com airbag duplo, freios ABS, computador de bordo, acionamento elétrico dos vidros dianteiros, das travas e dos retrovisores, ar-condicionado e direção com assistência elétrica. É quase tão equipado quanto o hatch médio C4, cujo preço parte de R$ 50.890.

A versão testada (1.6 Exclusive) é vendida por R$ 49.990 e traz também rodas de liga leve de 16 polegadas, sistema de som com bluetooth e entrada USB, luzes diurnas com LEDs no para-choque dianteiro e o para-brisa Zenith, seu grande diferencial.

Alessandro Shinoda/Folhapress
Honda Fit, Chevrolet Sonic e Ford New Fiesta completam o comparativo dos hatches compactos premium
Honda Fit, Chevrolet Sonic e Ford New Fiesta completam o comparativo dos hatches compactos premium

TELHADO DE VIDRO

Equipamento de série a partir da versão 1.5 Tendance (R$ 43.990), o enorme vidro panorâmico amplia em 80 graus o campo de visão no C3. Para atenuar a exposição ao sol, há uma faixa degradê sobre a cabeça dos ocupantes dos bancos dianteiros. É possível também estender a forração do teto manualmente.

O teste foi realizado com toda a área do para-brisa aberta. É quase como andar em um carro conversível, mas sem problemas com o vento, o sol ou a poluição.

Com 122 cv, o C3 1.6 16v é o mais potente do teste, mas não foi superior em desempenho. O melhor nesse quesito foi o New Fiesta.
O motor 1.6 Sigma do compacto da Ford (115 cv) garantiu uma pequena vantagem em aceleração e foi o mais econômico entre os modelos testados.

Fabricado no México, o New Fiesta peca por oferecer espaço reduzido no banco traseiro. Quem não precisa disso ficará satisfeito com o desenho moderno e a ampla lista de equipamentos, que inclui o melhor pacote de segurança da categoria como item opcional.

A versão mais cara do Ford (R$ 50,9 mil) traz sete airbags e auxílio de partida em rampas, sistema que evita que o carro ande para trás ao sair de uma ladeira.

O que falta ao New Fiesta é uma opção com caixa automática, disponível nos rivais -no Punto, o sistema é o automatizado Dualogic Plus.

E quando o assunto é câmbio automático, nenhum concorrente supera o Chevrolet Sonic e suas seis marchas.

Editoria de Arte/Editoria de Arte/Folhapress

EQUIVALENTES

Nas versões manuais testadas, os carros se equivalem. Todos são ágeis e agradáveis de dirigir, com pedais de embreagem leves.

O Sonic e o New Fiesta transmitem mais esportividade, enquanto o Fit e o C3 valorizam um rodar mais suave. O Fiat Punto 1.6 Essence fica no meio do caminho, mas tem na linha a opção TJet, com motor 1.4 turbo (152 cv). É o hatch compacto nacional mais rápido do mercado.

Apesar das diferenças, todos os carros testados são atuais. Mesmo o Fiat Punto, modelo apresentado há mais tempo, continua em dia com o mercado europeu, salvo pequenas diferenças de estilo.

O C3 está à frente: a grade adotada no Brasil ainda não foi lançada na França. Não há segmento melhor para quem pretende rodar em sintonia com o mundo. (Eduardo Sodré)

As montadoras cederam os carros para teste

 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Geração de Valor

Geração de Valor

Flávio Augusto da Silva

Comprar
Adeus, Aposen- <br> tadoria

Adeus, Aposen-
tadoria

Gustavo Cerbasi

Comprar
Despertar Profis- <br> sional

Despertar Profis-
sional

Daniela Do Lago

Comprar
A Linguagem Corporal dos Líderes

A Linguagem Corporal dos Líderes

Carol Kinsey Goman

Comprar