Publicidade

 

Publicidade

 
14/10/2012 - 06h02

Serviço de motorista particular conquista classe média

RODRIGO LARA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Utilizar um motorista particular deixou de ser algo restrito aos muito ricos. O serviço está mais acessível, tanto financeiramente quanto na maneira de encontrar e contratar um profissional. Pode ser uma boa alternativa para quem não quer se estressar nos congestionamentos, tem medo de dirigir ou quer um pouco mais de comodidade.

"Comecei a usar um motorista particular há um ano. Na época, um profissional veio à minha empresa e ofereceu o serviço. Achei que seria uma boa e decidi experimentar", afirma a empresária Erika Fischer, 35.

Divulgação
A empresária Erika Fischer e seu motorista particular José Aparecido Sakamoto
A empresária Erika Fischer e seu motorista particular José Aparecido Sakamoto

Hoje, é o motorista Jorge Aparecido Sakamoto, 44, que transporta Erika em uma Chevrolet Meriva. "Assim eu posso utilizar o tempo gasto nos trajetos para trabalhar, sem correr o risco de sofrer um acidente ou ser multada", diz a empresária, que paga R$ 1.400 por mês pelo serviço.

Segundo o advogado Gustavo Granadeiro Guimarães, os requisitos que configuram um vínculo empregatício com o motorista são os mesmos de qualquer outra atividade.

"Depende de quatro fatores, que são a pessoalidade do serviço [quando apenas uma pessoa é responsável por realizar o trabalho], o salário, a subordinação [o empregado cumpre ordens do empregador] e a habitualidade, que nada mais é do que um trabalho realizado com frequência. Quando há, simultaneamente, esses quatro fatores, há um vínculo", explica o advogado.

"O motorista deve ser registrado sob as condições da CLT, o que dá direito a férias e ao 13° salário", completa Guimarães.

O funcionário público carioca Aílton Gonçalves dos Santos, 48, fez as contas e concluiu que seria interessante contratar um motorista para levar seus dois filhos e uma sobrinha à escola.

"As crianças estudam em horários e colégios diferentes e dependem de alguém para levá-las. Além da praticidade, o gasto com o motorista quase empata com as despesas que eu teria ao utilizar o transporte público, e sai mais barato do que pegar um táxi diariamente", diz Santos.

Caio Kenji/Folhapress
Adriano Alves Martins transporta de executivos a idosos que precisam de um carro para ir ao supermercado
Adriano Alves Martins transporta de executivos a idosos que precisam de um carro para ir ao supermercado

A administradora Sandra Coraini, 54, também prefere contratar um motorista com carro próprio, mas, no caso dela, para viagens. Ela mora em Botucatu (a 238 km de São Paulo).

"Comecei a usar esse serviço quando tinha uma loja de roupas. Costumava ir para São Paulo com frequência e não gosto de dirigir em estrada. Acabei optando por utilizar um motorista particular."

Sandra não teve facilidade para encontrar um bom profissional. "Tive uns cinco motoristas, com experiências boas e ruins, até encontrar o atual", diz. O motorista é chamado sob demanda e o preço do serviço varia de R$ 150 a R$ 500, no caso de uma viagem longa. "É um bom custo-benefício, pois ganho em conforto", conclui.

Motorista e dono da empresa City Driver, Adriano Alves Martins, 36, diz que há uma grande demanda para esse tipo de trabalho. "Sou bastante solicitado para os mais diversos serviços.
Meus clientes vão de executivos a idosos que me procuram para levá-los ao supermercado", conta.

Para oferecer um serviço de qualidade, Adriano apostou em sua formação profissional. "Tenho cursos de motorista executivo, anti-sequestro e noções de inglês e outras línguas. Lido com um público bem diverso, é bom ter um conhecimento mais amplo."

CONTRATAÇÃO

Contratar um motorista requer alguns cuidados. Além de indicações de conhecidos para encontrar empresas especializadas e autônomos de confiança, os que procuram um profissional também podem recorrer à internet.

Um exemplo é o portal de serviços GetNinjas (www.getninjas.com.br), que possui cerca de 200 motoristas cadastrados em seu banco de dados. O pagamento é negociado e feito pelo site, e é liberado ao profissional somente após a conclusão do trabalho.

O salário de um motorista varia de acordo com a negociação e o tipo de serviço prestado. Há também serviços mais específicos. No Grupo Titanium, os motoristas disponíveis também são seguranças.

"Há uma grande procura, especialmente de executivos, que buscam profissionais capazes de acumularem as duas funções", diz Roberto Coletti, sócio-diretor da empresa.

Caso o "motorista-segurança" fique alocado (44 horas semanais) e use o carro do cliente, o serviço custará cerca de R$ 7 mil por mês.

 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

O Capital no Século XXI

O Capital no Século XXI

Thomas Piketty

Comprar
A Linguagem Corporal dos Líderes

A Linguagem Corporal dos Líderes

Carol Kinsey Goman

Comprar
A Lei do Triunfo

A Lei do Triunfo

Napoleon Hill

Comprar
Adeus, Aposen - <br> - tadoria

Adeus, Aposen -
- tadoria

Gustavo Cerbasi

Comprar