Publicidade
27/08/2013 - 05h22

Novo Outlander reforça vocação urbana

Rodrigo Lara
Colaboração para a Folha

Ele chegou ao Brasil em 2003 batizado de Airtrek. Na segunda geração, se firmou no mercado como uma opção mais urbana que a linha de modelos Pajero. É essa vocação que o novo Mitsubishi Outlander pretende preservar.

Ivan Ribeiro/Folhapress

O veículo chega às concessionárias em setembro com preços que vão dos R$ 102.990 cobrados pela versão 2.0 até os R$ 139.990 da opção GT V6 mais equipada.

A marca afirma que a atualização do crossover foi concentrada em duas vertentes: aerodinâmica e redução de peso. O carro emagreceu 100 quilos em comparação à geração anterior e ganhou linhas mais fluidas.

Editoria de Arte/Folhapress

O carro perdeu o "bocão" que adornava a dianteira da segunda geração. Entra em cena um visual mais comportado, com faróis dianteiros que lembram os do Range Rover Vogue e uma grade superior fechada, que abriga o logotipo da fabricante. O Outlander não tem mais cara de mau, seu desenho ficou rechonchudo.

Na lateral, a linha de cintura ascendente termina em um par de lanternas de fundo cromado e lente transparente, unidas por um friso que percorre a tampa do porta-malas. Ainda que a intenção da Mitsubishi tenha sido deixar o carro mais moderno, essa é a parte menos interessante do exterior do veículo.

A versão avaliada (Outlander GT V6) no teste Folha-Mauá estava equipada com o opcional chamado Full Technology Pack.
Esse pacote inclui sistema "keyless" (partida sem chave no contato), bancos de couro com ajustes elétricos na dianteira e aquecimento, fechamento eletrônico do porta-malas, ar-condicionado com duas zonas independentes de temperatura, faróis de xenônio e central multimídia com GPS e tela sensivel ao toque.

O kit traz também itens de segurança como o piloto automático adaptativo. Além da manter o ritmo constante, o sistema reduz a velocidade do carro sem interferência do motorista quando há um veículo mais lento à frente.

Os freios ABS têm distribuição da força de frenagem entre as rodas e sistema auxiliar que potencializa a pressão das pinças sobre os discos em freadas de emergência. Há também controle de estabilidade e de tração e nove airbags.

Há bastante espaço para cinco ocupantes e uma terceira fileira rebatível de bancos, com dois assentos apertados instalados no porta-malas. Portanto, é preciso escolher: passageiros extras ou bagagens?

A versão testada trazia sob o capô o motor 3.0 de seis cilindros em "V", que rende 240 cv e tem bom torque. O câmbio é automático de seis marchas e a tração, integral.

O Outlander de entrada tem motor 2.0 (160 cv), tração dianteira e câmbio automático CVT. De acordo com a Mitsubishi do Brasil, essa opção deverá responder por 60% do mix de vendas.

O teste proposto pela Mitsubishi incluiu uma sequência de exercícios no autódromo particular da marca, em Mogi-Guaçu (a 172 quilômetros de São Paulo), e mostrou que, apesar dos 4,65 metros de comprimento e 1.570 quilos, o crossover é ágil.

A suspensão evita inclinações excessivas e, no limite da aderência, os sistemas eletrônicos entram em ação para colocar o veículo no rumo correto.

O percurso urbano que precedeu o trajeto rodoviário provou que o Outlander não faz cara feia diante de obstáculos como lombadas e buracos.

Em trechos rodoviários e velocidade constante, a principal característica é o silêncio na cabine.

Em situações como essa, vale acionar o piloto automático adaptativo. O recurso ajuda a evitar multas e acidentes em decorrência da distração do motorista.

Na terra, as atenções se voltaram para o sistema de tração 4x4 do modelo. Esse Mitsubishi não é um off-road nato, mas faz o básico longe do asfalto. O carro passou sem sacolejar pelos obstáculos leves do percurso.

Terminada a avaliação, o Outlander mostrou ter bons recursos para brigar em um segmento dominado por rivais de preço menor, como o Honda CR-V (a partir de
R$ 98,9 mil), o Toyota RAV4 (R$ 96,9 mil) e o Fiat Freemont (R$ 95 mil).

A marca japonesa pretende vender 600 unidades do Outlander ao mês, o que seria um aumento considerável em relação aos 286 carros comercializados em julho, segundo a Fenabrave (federação das distribuidoras de veículos).

De acordo com a Mitsubishi, não há expectativa de expandir a importação do modelo. Vindo do Japão, o Outlander depende da cota da montadora para ser importado sem sobretaxa de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e, com isso, ter um preço atrativo no país.

A Mitsubishi cedeu o carro para avaliação

 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Como Ter Sorte

Como Ter Sorte

Max Gunther

Comprar
Geração de Valor

Geração de Valor

Flávio Augusto da Silva

Comprar
Adeus, Aposen- <br> tadoria

Adeus, Aposen-
tadoria

Gustavo Cerbasi

Comprar
Despertar Profis- <br> sional

Despertar Profis-
sional

Daniela Do Lago

Comprar