Publicidade
12/06/2011 - 07h17

Namorados que compartilham o carro colocam o amor à prova

RICARDO RIBEIRO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

"Olha o que eu tenho que carregar", reclama o modelo Ayrton Moura, 23, sacudindo um leão de pelúcia de 30 cm. Quase não dá para ver, mas debaixo da juba está a chave do Chevrolet Prisma 2008 que ele divide com a namorada, a produtora Kattia Lopes, 34.

Alessandro Shinoda/Folhapress
Kattia e Ayrton estão juntos há um ano até no carro
Kattia e Ayrton estão juntos há um ano até no carro

Logo que se conheceram, Ayrton estava sem carro e o casal decidiu compartilhar o dela. A razão é a mesma da maioria dos casais ouvidos pela Folha: economizar combustível e estacionamento.

É também uma boa estratégia para os namorados passarem mais tempo juntos.

O amor sobre rodas, porém, tem suas derrapagens.

No caso de Kattia e Ayrton, que namoram há um ano e moram em casas separadas, o chaveiro "felino" não é o único problema.

"Ele deixa lixo no carro e ainda enrola para lavá-lo. Antes, meu Prisma era 'de menina', sempre limpinho", diz ela. A disputa cotidiana é comum -- e ele costuma perder.

"Tentamos dividir para atender os horários dos dois, mas, quando não dá, ele vai de ônibus", dispara Kattia.

Segundo os casais entrevistados, o que mais leva a brigas são as multas em nome do proprietário -- que nem sempre estava ao volante.

Para o professor de Relacionamento Amoroso e Comunicação do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo), Ailton Amelio da Silva, dividir o carro pode ser um termômetro do casamento. "Envolve altruísmo, justiça e consideração pelo outro. É um excelente campo de provas", avalia.
de coração

De acordo com Silva, a divisão precisa ser de acordo com a necessidade, sem abusos e de coração. "O esforço de hoje não pode culminar em ressentimentos e cobranças no futuro", alerta.

Uma boa experiência pode acabar em casamento. Isso aconteceu com Daniel Oliveira, 32, e Fernanda Andrade, 28. Eles compraram um VW Fox quando eram namorados; casaram-se dois anos depois. "Quando há amor, sempre dá certo", diz Fernanda.

Dividir o carro significa confiança, como comprova o estudante Flávio Rodrigues, 24. Ele passa as chaves do Honda Civic do pai para a namorada. "Ela acabou de tirar a carteira. Ele não se importa, mas sempre confere se apareceu algum arranhão."

Editoria de Arte/Folhapress
 

Publicidade

 
Busca

Encontre um veículo





pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Livraria da Folha

Abilio

Abilio

Cristiane Correa

Comprar
Em Busca do Tesouro Direto

Em Busca do Tesouro Direto

Samy Dana, Miguel Longuini

Comprar
Felicidade Construída

Felicidade Construída

Paul Dolan

Comprar
Brasil: Uma Biografia

Brasil: Uma Biografia

Heloísa Starling, Lilia M. Schwarcz

Comprar
Pixel tag