Publicidade

 

Publicidade

 

Antes de comprar

Avalie o usado

Para fazer bom negócio no mercado de usados, é preciso fazer uma boa avaliação do carro. Como o mercado está aquecido, há até consultores especializados em avaliar automóveis (serviço pago).

Dá para perceber que o carro está muito rodado?

Sim. Nem sempre dá para confiar no hodômetro (instrumento que mede a distância percorrida pelo carro), pois ele pode ter sido adulterado.

Alguns indícios de que o carro já rodou bastante:

  • Manopla de câmbio e volante lisos;
  • Pedal do freio desgastado indica que ele passou dos 70.000 km;
  • Marcas irregulares de desgaste nos pneus, que podem significar falta de alinhamento e problemas na suspensão;
  • Balance o carro segurando o para-choque e depois solte. Se ele continuar se mexendo, é sinal de que os amortecedores estão gastos

Como saber se o motor está bom?

Algumas dicas

  • Procure vazamentos de óleo (motor muito limpo pode ter sido lavado);
  • Verifique as juntas do cabeçote: elas não podem estar muito limpas (indica que foram lavadas para esconder vazamento) nem sujas de óleo (indício de vazamento). Marcas e manchas de óleo no contorno mostram que foram reapertadas e podem estar empenadas;
  • Se o carro demorar a pegar, os bicos injetores estão sujos;
  • Óleo muito escuro e abaixo do nível também são sinais de que o proprietário é desleixado;
  • Fumaça branca ou azul saindo do escapamento indica que o veículo está queimando óleo.

Como avaliar o aspecto externo de um usado?

  • Pintura recente e ondulações são sinais de que o carro foi batido;
  • Verifique o vão entre partes (como capô, grade ou para-choque); se ele for grande, as peças foram trocadas;
  • Repare se há ondulações nas paredes do cofre do motor; elas indicam que o carro pode ter sido batido (pintura nova nas áreas próximas é outro indício de batida);
  • Parafusos de outra cor em chapas e peças da carroceria também indicam reparos;
  • Cheque se as portas estão desalinhadas;
  • Marcas de ferramenta e arranhões em peças como faróis e lanternas revelam se elas já foram trocadas;
  • Procure pontos de solda além dos originais de fábrica

Que reparos vale a pena fazer antes de vender?

Carro com cara de bem tratado é mais bem avaliado. Riscos na lataria ou lanterna trincada, por exemplo, depreciam o valor do carro na revenda mais do que o custo do reparo.

É comum o comprador abater R$ 500 no valor do carro para refazer a pintura um defeito que pode ser eliminado com uma cristalização, que custa, em média, R$ 80.

Uma simples troca do reservatório de água, que geralmente suja, dá um aspecto de boa manutenção ao abrir o capô do carro. Vazamentos de óleo também causam má impressão e espantam compradores.

Alguns reparos simples que valem a pena são:

  • Troque os vidros trincados;
  • Substitua o insulfilm desbotado;
  • Troque bancos rasgados;
  • Encape o volante;
  • Substitua a borracha dos pedais;
  • Verifique o óleo;
  • Faça uma higienização interna;
  • Lave e encere antes de mostrar ao futuro comprador;
  • O espelhamento da pintura rejuvenesce a cor e o brilho

Fontes: Assovesp (Associação dos Revendedores de Veículos Automotores do Estado de São Paulo), Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos do Estado de São Paulo), Mecânica do Gato e Bosch.




Financiamento

As opções para financiar um carro novo são: crédito em banco, em banco da montadora, leasing e consórcio.

As taxas de juros variam de acordo com o banco e a modalidade de financiamento. O cliente pode negociar o dinheiro com o banco e comprar o veículo ou fechar um plano na loja, com financeiras ou bancos de montadoras.

Há muitas montadoras que abriram bancos e que operam em conjunto com as concessionárias. Verifique atentamente com a taxa mais vantajosa e as regras do contrato de financiamento.

O que é CDC (Crédito Direto ao Consumidor)?

Fazer empréstimo no banco para comprar o carro. O veículo fica registrado no nome do comprador, mas alienado ao banco, e não pode ser negociado até que sejam pagas todas as prestações.

O que é leasing?

Financiamento em que o veículo é registrado no nome do banco ou da empresa financeira e só pode ser transferido para o comprador depois que todas as prestações forem pagas.

O que é consórcio

O comprador paga cotas mensais e recebe o carro quando é sorteado, se der lance ou no final do contrato, desde que esteja com as prestações em dia.

O que acontece a quem para de pagar o financiamento?

O consumidor pode perder o carro. No CDC, o banco pode entrar com uma ação na Justiça para usar o carro que já está alienado em seu nome. Leiloa o veículo e usa o valor para pagar as parcelas restantes do financiamento (o dinheiro que sobrar é devolvido ao consumidor).

No leasing, como o carro está em nome do banco ou da empresa financiadora, ela tomará o carro do consumidor, que não recebe nada e perde o que já pagou.

No consórcio, o consumidor perde direito ao carro, mas pode ser ressarcido da parte que já pagou, mas apenas no final do contrato.

Fontes: Banco Central do Brasil e Fundação Getulio Vargas




 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade