Publicidade
06/01/2013 - 06h59

Negócios 'estranhos' atraem atenção de investidores e do mercado

REINALDO CHAVES
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Existe no país uma start-up (empresa tecnológica iniciante) para controlar o uso de lentes de contatos e enviá-las pelo correio antes que o estoque do consumidor acabe.

Em São Paulo, um empreendedor lançará um revestimento de plástico para proteger o dedo do cliente enquanto ele digita a senha em máquinas compartilhadas.

A princípio, essas ideias podem parecer estranhas, mas já receberam investimento e ambas são consideradas promissoras pelo mercado.

Produtos ou serviços inovadores, ou mesmo engraçados, têm chance de sucesso, mas precisam resolver problemas ou demandas do consumidor. O diretor-executivo da eÓtica, Bruno Ballardie, 29, por exemplo, viu uma oportunidade assim.

"Descobri que quem usa lente de contato esquece com frequência de comprar uma nova. No Brasil, o tipo mais usado é a lente que dura um mês. Nosso site administra a compra e a entrega do produto. Já contamos com 2.000 assinantes", destaca.

Com a ideia, a empresa já recebeu sua primeira rodada de investimentos da Kaszek Ventures e do investidor-anjo Kai Schoppen. Os valores não foram divulgados.

Lucas Lima/Folhapress
Bruno Ballardie, diretor executivo da empresa eÓtica, já conseguiu 2 mil assinantes
Bruno Ballardie, diretor executivo da empresa eÓtica, já conseguiu 2 mil assinantes

Mulher é demitida nos EUA por ser "muito atraente"
Livro ensina auto-hipnose para passar em concurso
Conheça 8 dicas para vencer dificuldades no trabalho

CAMISINHA PARA O DEDO
Problemas pessoais também inspiram start-ups estranhas. O engenheiro mecânico Patrick Hunaudaye, 50, lembra que, em 2011, sujou as mãos quando estava pagando uma compra em um supermercado. "A maquininha do cartão estava imunda. A caixa até fez uma brincadeira desagradável, dizendo que uma cliente que usou o terminal antes estava com conjuntivite", lembra.

Hunaudaye iniciou uma pesquisa. Descobriu que médicos infectologistas consideram que grande parte das doenças são transmitidas pelo toque e que os terminais de senha são apontados como propícios para proliferar micro-organismos, pois são quentes, têm ranhuras e não são limpos em profundidade.

Ze Carlos Barretta/Folhapress
Patrick de la Hunaudaye, da PAT, criou camisinha para o dedo
Patrick de la Hunaudaye, da PAT, criou camisinha para o dedo

Ele e a mulher Maria Fernanda Goulène, 41, criaram a start-up PAT (Proteção ao Toque), que desenvolveu o que seus inventores chamam de "camisinha para o dedo", isto é, uma pequena luva para o dedo indicador. O produto foi criado em março do ano passado e pode ser vendido em rolos individuais descartáveis ou em versão de caixinha para levar no bolso.

"Já temos a patente nacional e recentemente conseguimos a internacional. Empresas devem lançar o produto comercialmente neste ano."

OVO DE COLOMBO
Outra dificuldade pessoal foi a inspiração para a criação da empresa ColOff. A instrumentadora cirúrgica Carolina Fagundes, 37, descobriu em 2007 que sua mãe Ivonice Satie estava com câncer de colo-retal e a forma correta de tratamento só podia ser descoberta com um exame muito preciso para detectar sangue nas fezes.

Então, Fagundes desenvolveu um revestimento de assento sanitário que ajuda a coletar o material. A invenção impede que os detritos entrem em contato com a água e o vaso sanitário. Junto com o marido Eliezer Dias, 36, ela criou a empresa ColOff.

No ano passado, venceu o Desafio Brasil, um dos concursos de start-ups mais conhecidos do país, e ganhou uma vaga na competição mundial de start-ups em Berkeley (EUA). O produto é usado no hospital Albert Einstein e vendido em drogarias por R$ 2,50. "Foi como um ovo de Colombo. Todos afirmam que a ideia é muito simples, mas ninguém a enxergou antes", comenta Dias.

Lucas Lima/Folhapress
Eliézer Machado Dias e sua mulher Carolina Fagundes usaram um drama pessoal para criar produto inovador
Eliézer Machado Dias e sua mulher Carolina Fagundes usaram um drama pessoal para criar produto inovador

MALUCOS
Sergio Risola, diretor-executivo do Cietec (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia), da Universidade de São Paulo, afirma que toda semana recebe pelo menos uma proposta de start-up estranha para analisar. "Minha primeira reação é tentar descobrir se o cara é normal ou não. Recebemos muitas pessoas excêntricas."

Ainda segundo ele, o caminho que faz para escolher quais start-ups serão incubadas é conversar com o futuro empreendedor para conhecer currículo, experiência no mercado e detalhes da ideia. Uma falha comum de muitos candidatos é que eles não sabem explicar o projeto.

"Propostas muito inovadoras têm mais riscos, por isso muitos desistem. Mas para aqueles que insistem e verificamos que têm potencial, fornecemos 15 dias de aulas para que eles aprendam a fazer um plano de negócio."

O diretor da DGF Investimentos Patrick Arippol diz que a visão do "Professor Pardal" não funciona no mercado. "O futuro empreendedor tem que demonstrar que consegue resolver um problema concreto e a maneira de executar isso em escala."

Para Arippol, que ajuda a administrar R$ 500 milhões de fundos, o investidor procura características comuns: o empreendedor tem que demonstrar como irá faturar com sua ideia, mostrar possíveis clientes, provar que seu produto interessa ao mercado e saber de quanto dinheiro precisa. Em dois anos, ele analisou mais de mil projetos e fez só três investimentos.

Apesar dessa dificuldade maior para os produtos ou serviços estranhos, Risola cita um diferencial. Ele destaca que a maioria das start-ups atuais "segue a corrente", isto é, nasce para atender um mercado já consolidado ou apenas copiam ideias de sucesso no exterior.

"Sem dúvida isso diminui riscos, mas em contrapartida a competição e os gastos com marketing são bem maiores. Já uma ideia muito inovadora, se for viável, tem um potencial enorme", destaca.

MIRANDO O FUTURO
Uma proposta que lembra um filme de ficção científica move outra empresa. A start-up DB Genética tenta realizar no Brasil uma mescla de modelo de negócio já existente fora do país com uma inovação tecnológica.

A empresa irá comercializar testes genéticos para medir a probabilidade de recém-nascidos terem características como calvície, habilidade para esportes, memória e intolerância à lactose. Nos EUA, a empresa mais famosa nesse modelo é a 23andMe.

"Nossa intenção é alertar com antecedência para possíveis problemas. Isso ajuda a montar as rotinas necessárias para evitar ou minimizar sofrimentos às crianças", afirma André Ribeiro, 29, um dos sócios da DB Genética.

A próxima inovação buscada, em parceria com a start-up americana Natera, será traçar as características ainda durante a formação do feto. A DB Genética foi aceita no Cietec no ano passado.

Ribeiro e seu sócio Ricardo Di Lazzaro Filho, 26, criaram um plano de negócios para buscar uma subvenção na Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e o apoio de investidores. Uma das dificuldades encontradas foi estimar o tamanho de mercado para os testes genéticos. "Empresas muito inovadoras têm essa dificuldade comum para medir o interesse por produtos novos. Fizemos uma estimativa baseada em quanto o brasileiro gasta com saúde."

Silva Junior/Folhapress
Ricardo Di Lazzaro (cabelo enrrolado) e Andre Ribeiro sócios da DB Genetica têm negócio de testes genéticos
Ricardo Di Lazzaro (cabelo enrrolado) e Andre Ribeiro sócios da DB Genetica têm negócio de testes genéticos

EU QUERO TCHÚ
Entre as start-ups digitais também existem casos de empresas que tentam caminhos estranhos. A Meu Karaokê foi criada em junho como um site para que internautas compartilhem suas performances como cantores.

Seu fundador é Mauricio Anthony Neres, 32, que trabalhou em empresas do ramo de tecnologia nos EUA, como a Amazon. A primeira música publicada foi "Eu Quero Tchú, eu Quero Tchá", de João Lucas e Marcelo. "Enviei o link do site para meu sobrinho em Porto Seguro (BA) e, em duas semanas, metade do colégio dele tinha gravado uma versão e criado uma página no Facebook", lembra.

O site tem cerca de 3.500 acessos mensais. Foram investidos aproximadamente R$ 40 mil de capital próprio, que a empresa espera recuperar até 2014. O site ainda não cobra assinaturas e negocia com um investidor.

Outro exemplo de start-up digital com proposta diferente é a Qranio, uma plataforma de jogo on-line, porém, voltada para a educação e distribuição de prêmios. Esses itens a principio discrepantes se combinam porque os usuários ganham conhecimento por meio de jogos de perguntas e respostas e recebem uma moeda virtual que pode ser trocada.

Seus fundadores são os mineiros Samir Iásbeck de Oliveira, 31, Gian Menezes, 25, e Flávio Augusto, 24. O diretor-executivo, Oliveira, afirma que a inspiração para o negócio veio porque ele cresceu em Bicas (MG), odiava a obrigação de ir para a escola e preferia ficar na rua. "Cada pessoa tem um tipo diferente de acumular conhecimento, nunca gostei das formas convencionais. E também o ensino mudou, é mais dinâmico. Minha filha de seis anos já usa até o Instagram", comenta.

O site entrou no ar em 2011 e atua no modelo "freemium", isto é, as funções são gratuitas, mas serviços extras são cobrados. A assinatura custa R$ 6 por mês. Até o final do ano passado eram cerca de 55 mil usuários.

A empresa já recebeu investimentos da aceleradora Wayra (da Telefônica) no valor de R$ 100 mil e de um investidor-anjo (Gui Affonso) de mais R$ 200 mil. Também venceu no ano passado a edição brasileira do PepsiCo10, um programa que incentiva estudantes e start-ups a criarem novas ideias de negócios para as marcas da empresa.

Antes de lançar a empresa, porém, Oliveira afirma que ter cumprido um longo percurso. Ele tinha uma fábrica de softwares em Juiz de Fora (MG) e desde 2000 começou a desenvolver a ideia do Qranio e seu código de programação. Também foram realizados testes com mais de 3 mil pessoas e várias propostas de "social games" foram pesquisadas. "Sempre acreditei na proposta de valor da nossa ideia, mas também batalhei para chegar perto da certeza de viabilidade", finaliza.

 

Publicidade

 
Busca

Busque produtos e serviços


pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Pixel tag