Publicidade
16/06/2013 - 02h00

Especialista mostra os pecados ao escolher o nome de uma empresa

DE SÃO PAULO

Ao criar a identificação de um produto ou da companhia, é preciso fugir do "achismo", diz Guilherme Sebastiany, especialista em marcas. Ele recomenda que o empresário mostre opções para potenciais consumidores e peça que eles indiquem que impressão elas passam: algo mais jovem ou mais maduro, por exemplo.

Consumo de produtos e serviços de tecnologia cresceu 8% em 2012
Aplicativo permite que médicos tenham acesso aos prontuários via celulares
Curso de autoajuda sobre 'inteligência multifocal' vira uma franquia
Vale do Silício encara mais concorrência pelo mundo

Seguir o encantamento
Não escolha algo que o encante. Você pode não fazer parte do seu público-alvo, que é quem tem de ver valor na sua marca. Essa escolha emocional pode atrapalhá-lo ao tomar uma decisão sobre o tema

Buscar uma tradução
Muita gente se preocupa com o significado da palavra em outra língua, mas isso é secundário se você não quiser atingir o mercado internacional. No dia a dia da empresa, isso não tem impacto nenhum

Olhar só o tamanho
Existe o mito de que o nome da empresa tem de ser curto para ser mais fácil de lembrar. Isso pode levar a uma identificação com poucas letras, mas banal e sem diferencial para o consumidor

Preocupar-se com o '.com'
É comum que as pessoas se estressem para verificar se os domínios '.com' ou '.com.br' estão disponíveis para o nome escolhido. Mais importante é avaliar se a marca será bem visível no Google

Divulgação
Guilherme Sebastiany, 37, diretor de estratégia da Sebastiany Branding
Guilherme Sebastiany, 37, diretor de estratégia da Sebastiany Branding
 

Publicidade

 
Busca

Busque produtos e serviços


pesquisa

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade

 

Publicidade


Pixel tag